terça-feira, 4 de novembro de 2014

Beijo

Ele sentia um formigamento em suas extremidades. Seu corpo todo o impulsionava para frente, pulsava, enrijecia-se . Mas, hesitava, havia de esperar por algo nela que sinalizasse a sua investida.

Ela, por sua vez, não queria parecer muito atirada. Ora, ela queria era devorar aquele momento, entrar nele feito água, feito a sua saliva quente entrava pela sua garganta apertada agora. Toda ela se enchia de ar em breve leviandade. Ruborizou-se.

Era o sinal. Ele correu com o lábios para sua bochecha morna. Esfregavam-se queixos e amassavam-se narizes. Dois rostos se conheciam. Encontravam o encaixe, afinal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário